24/11/2011

eu amo tomar sorvete com você




Eu estava de olhos fechados, bocejando. Ele me disse com voz manhosa: 'queria estar agora tomando sorvete com você'. Meus olhos ficaram entreabertos e vermelhos, marejados. Ele tem o dom de eternizar o momento mais simples, me fazer feliz com um beijo gelado. Dois, três. De morango, de creme, de bombom.

Ele me olha terno, coloca o meu cabelo atrás da orelha e continua me olhando. Eu fico me perdendo entre seus olhos e sua boca, que parece um coração. Foi desenhada para combinar com a minha, para me preencher. Eu o abraço forte e imploro para que nunca esqueça que o amo inteiro, tanto tanto.

Eu amo quando sinto certeza em suas palavras e atos. Quando ele é romântico assim, agindo. Quando me manda sms, me liga depois do almoço, antes de dormir. Me liga 5 minutos depois de ter desligado e não tem nada a dizer, só quer mais voz, só quer mais nós.

Eu amo quando planejo um curso de maquiagem e ele canta que 'o meu rosto é perfeito sem nenhum retoque' ♪. Eu amo falar que vou comprar um vestido para ficar linda e ele responde que eu já sou linda, não preciso de vestido. E amo amo quando ele deixa a simplicidade de lado e me pede pra usar o salto mais alto.

Eu amo como ele cuida de mim. Quando volta pra mim, quando não quer ir embora, quando engole o choro e se mostra forte enquanto eu desabo. Eu desabo agora, eu odeio ficar longe.

Eu amo quando o cheiro dele fica na minha roupa, eu amo quando - do nada - sinto o cheiro dele no ar. Eu amo o cheiro dele quando acorda de ressaca (acredite!), eu amo, principalmente, o cheiro dele misturado com o meu. Quando já não sei o que sou eu, o que é ele. Sou dele, toda, tão dele.

Eu amo quando ele manda uma música de estilo diferente do que costumo ouvir e que diz o que ele quer dizer. Eu amo quando ele tenta me convencer a mudar de time - aí seremos eternos rivais. Eu amo. Eu amo esse jeitinho, eu amo sonhar acordada com o dia que vamos dormir juntos, e com todos os outros seguintes, assim.

Eu amo ser a tormenta e a paz, eu amo ser a menina e a mulher, eu amo não precisar de nome nem de títulos (nem de roupas). Eu amo ser clichê, eu amo ser dele, toda, tão dele.

Amor, eu amo seus beijos-gelados-de-todos-os-sabores, quando você atira tudo longe, por egoísmo.
E seja na calçada de sua casa ou na praça... eu amo tomar sorvete com você.

Nenhum comentário:

Quantos?