23/03/2011

Parabéns para você

O ônibus pára, o motorista lhe sorri, as janelas estão resplandecentes e há fartura de troco. Na fileira de assentos únicos à esquerda, o último está vago como se seu nome estivesse escrito nele, o seu preferido. O ônibus arranca, o sinal fica verde quando o veículo se aproxima e o sujeito que está descascando semestres de girassol recolhe as cascas em um saco de papel marrom.

O fiscal idoso não pede para ver seu bilhete, apenas toca o boné e, com voz bastante simpática, deseja-lhe um ótimo dia.

E será um ótimo dia. Porque é sei aniversário. Você é brilhante, é bonita e tem a vida toda pela frente. Mais quatro pontos e você vai dar sinal, e o motorista vai parar, apenas para você.

Você vai saltar do ônibus, ninguém a empurrará, e a porta não vai se fechar até que você tenha saltado. E o ônibus vai partir, os passageiros ficarão felizes por você e o sujeito das sementes de girassol vai ficar acenando até que você o perca de vista, sem motivo nenhum.

Quem precisa de motivo? É um aniversário, e nos aniversários coisas boas acontecem. E o cachorrinho correndo na sua direção agora vai abanar o rabo quando você o tocar. Até os cachorros conseguem reconhecer datas especiais.

Em seu apartamento, as pessoas estarão esperando no escuro, atrás dos lindos móveis que vocês dois escolheram. Quando você abrir a porta, elas pularão e a surpreenderão. Exatamente como deve ser nas festas-surpresa.

Tdoas estarão lá, as pessoas que você amou, as que lhe são mais próximas e aquelas que significam muito. E levarão presentes que compraram ou inventaram elas mesmas. Presentes inspirados e coisas úteis também.

Os engraçados vão se divertir, os inteligentes, instruir, até mesmos os deprimidos darão um sorriso sincero. A comida estará fantástica, e servirão morangos no topo do melhor milk-shake de baunilha da cidade.

Eles vão colocar um disco de Keith Jarrett para tocar e todos vão ouvir, vão colocar uma fita de Sarie e ninguém ficará triste. E quem estiver desacompanhado não se sentirá sozinho essa noite, e ninguém vai perguntar "Leite ou creme?" porque a essa altura todos se conhecerão.

No final, todos vão partir e os que você queria que a beijassem irão beijá-la; os que você não queria simplesmente lhe apertarão a mão. E ele será o único a ficar, o homem com quem você vive, mais afetuoso e gentil do que nunca.

Se quiserem, vocês farão amor ou ele massageará seu corpo com óleo, comprado especialmente em uma antiga loja beduína. Você só precisa pedir e ele reduzirá a luz da luminária, e vocês vão se sentar abraçados, esperando o amanhecer.

E nessa noite mágica, eu também estarei presente, bebendo meu milk-shake de baunilha e exibindo um sorriso sincero. E, se você quiser, antes de partir - eu a beijarei. Se não quiser, apenas lhe apertarei a mão.


Texto de Etgar Keret.

Nenhum comentário:

Quantos?