31/08/2010

Eu estou on, você também. Estava. Entre eu e você reais 398,1 kms de distância ou dois cliques, mas você não é tolo de puxar conversa. Sabe que há algo errado. Traduz. Lê que eu não quero ser a menina do coração quebrado. Oh, não, não! Não quero ser a menina do coração quebrado. E daí? Cá estou eu com a mesma pauta, mas aviso aviso aos navegantes: é a última vez. Hoje é 31 de agosto, agora são 23:38. Amanhã é outro dia. Amanhã, como sugeriu Caio F., eu vou bradar que estou contente outra vez. Aproveitei a Lua Nova e mudei o cabelo, preciso 'me achar'. Olho no espelho e já enxergo aquela menina linda que sou. Tudo parecia correr bem, não é? Você precisava de ombro e lá estava eu, toda prestativa, jogando palavras até a madrugada. Me iludindo outra vez. Preferindo palavras a atos. Você consegue ser muitos em um só, só não sei se te parabenizo por isso. Eu queria um pouco mais, eu queria mais um beijo, mais um abraço, mais um toque, mais um olhar. Mas eu não quero mais sofrer. Você já foi, só eu fiquei aqui. Fiquei mula como sempre. Mas ontem foi dia 30. Ontem o filminho rolou, o coração ficou apertadinho. E eu, pela primeira vez, optei por mim. Não preciso de você. Continue com quem você escolheu e boa sorte.



'A verdade é que me enchi, De você, de nós, da nossa situação sem pé nem cabeça. Não tem sentido continuarmos dessa maneira. Eu, nessa constante agonia o tempo todo imaginando como você vai estar. E você, numas horas doce, noutras me tratando como lixo. Não sou lixo. Tampouco quero a doçura dos culpados, artificial como aspartame. Fico pensando como chegamos a esse ponto. Não quero mais descobrir coisas sobre você, por piores ou melhores que possam ser. Assim, chega. Chega de brigas, de berros, de chutes nos móveis. Chega de climas, de choros, de silêncios abismais. Para quê, me diz? O que, afinal, eu ganho com isso? A companhia de uma pessoa amarga, que já nem quer mais estar ali, ao meu lado, mas em outro lugar? Sinceramente, abro mão. Vou atrás de um outro jeito de viver a minha vida, já que em qualquer situação diferente estarei lucrando. Bom é isso, se agora isso ainda me causa alguma tristeza, tudo bem. Não se expurga um câncer sem matar células inocentes...'. Fernanda Young.

Nenhum comentário:

Quantos?