14/04/2009

broken computer


Uma surpresa nada agradável me esperava pós-feriado: O (meu) pc não liga. Pifou, acho que foi na CPU. A luzinha fica acesa mesmo que eu desligue a máquina. Nem apita. Minha primeira reação foi enlouquecer, tinha que descarregar as fotos da semana santa, instalar dicionário, atualizar o orkut e o blog, enfim... ocupar o pouco tempo do meu descanso (ontem foi feriado aqui em Fortaleza, niver da cidade) pra atividades pouco úteis (o dicionário é essencial, apesar de ultrapassado!).

O preju vai me custar em torno duns 100 conto, e lá se vão embora os tostões que o pai me deu (e que eu planejava segurar ao menos até o final da semana). E a chateação? Só então que eu lembrei que as provas do segundo período se aproximam, que o projeto de monografia e o artigo da iniciação estão parados há um bom tempo. Por causa de má gestão do MEU tempo.

Foi preciso meu computador quebrar para eu não me dar uns minutos (que viram hoooras a fio) de luxo. Não é tempo de luxo, o stress é uma verdade inventada. Resolvi que vou segurar o blecaute por uns dias. Pra me conhecer melhor, desfrutar da minha própria companhia, ver um filme ou ler uma revista. Prestar mais atenção na minha vida do que na vida alheia.

No final das contas o PC desligado do meu quarto vai fazer um bem. Um bem daqueles que a gente só sente quando falta energia na fazenda e senta na calçada pra ver o brilho das estrelas.

Um comentário:

Cadinho RoCo disse...

Quando não tem jeito o melhor é encontrar motivo para aceitar o imponderável.
Cadinho RoCo

Quantos?